SINTECT/PE: NÃO AO APAGÃO POSTAL



Na última terça-feira, 20, sob protestos do Bloco de Oposição na Câmara dos Deputados, foi aprovado a tramitação de urgência do Projeto de Lei 591/2021, abrindo caminho para consolidar a privatização dos Correios em um espaço curto de tempo, chegando ao absurdo de tentar marcar a votação em Plenário já para o dia 22, mas, fruto de muita pressão, foi retirada da mesa essa votação.


A FENTECT, em conjunto com seus 31 Sindicatos filiados, tem realizado várias iniciativas e campanhas contra o desmonte da estatal. São 358 anos desde o Correios-mor até os dias atuais, presente em todos municípios do País, interligando negócios e pessoas em todo território nacional através do subsídio cruzado, ou seja, as regiões mais lucrativas (os grandes centros), subsidiam os pequenos municípios, e através desse pacto federativo garantem a universalidade do serviço postal.


Os Correios acaba por ser um "regulador" de mercado, onde suas operações em nichos concorrenciais como o e-commerce garantem preços justos, os menores entre as concorrentes, impendindo assim os altos preços e reforçando seu papel social de atender toda a população brasileira, esteja onde estiver. Caso os Correios seja privatizado, poderemos ter um verdadeiro apagão postal em regiões periféricas dos grandes centros e principalmente nos municípios mais pobres e afastados, pois a única empresa que presta serviço nessas regiões é os Correios. As concorrentes, inclusive, postam a encomenda nos Correios para que esta seja entregue, pois a iniciativa privada não se interessa em manter postos nesses municípios que são considerados deficitários, sem grandes retornos financeiros.



CORREIOS É SUPERAVITÁRIO


Os Correios é uma empresa superavitária, que não precisa de um centavo do governo e nem dos impostos pagos pelo contribuinte. Ao contrário, saem recursos dos Correios para fortalecer a rede pública, como, por exemplo, o SUS.


O governo Bolsonaro e Paulo Guedes tem interesse em privatizar os Correios devido o fato da mesma ter receita anual na ordem dos 20 bilhões e potencial para triplicar esse valor, ou seja, a velha política de tornar os ricos mais ricos e que o pobre pague a conta.



TODOS PELOS CORREIOS


Diante de tudo que foi externando é necessário o envolvimento cada vez maior da sociedade, contra mais esse golpe que o genocida do Bolsonaro tenta concretizar contra o povo brasileiro, um serviço essencial, lucrativo, em plena pandemia, sendo privatizado, a quem interessa aumentar o caos? Só aqueles que não se importam com as centenas de milhares de pessoas mortas por falta de política eficaz contra o COVID 19 por parte do governo federal e agora querem que os mais pobres paguem a conta, não podemos deixar que isso aconteça.


- Não à venda do patrimônio brasileiro!

- Não ao apagão postal!

- Todos pelos Correios