SINTECT-PE reforça: Assédio moral é crime, denuncie ao seu sindicato!

Atualizado: Jul 20


Menosprezar, fragilizar, ridicularizar, humilhar e perseguir. Estas são algumas denúncias de prática de assédio que infelizmente o sindicato tem recebido de um gestor, da GERAE do interior. Esse coordenador chegou ao absurdo de ridicularizar o serviço feito pelo trabalhador, o comparando a uma tartaruga, coloca em xeque a honestidade do funcionário ao duvidar da veracidade de atestado médico, além de levantar a voz para os carteiros. Ficam as perguntas: onde está a educação e o respeito com os trabalhadores e trabalhadoras? Será que conhece o código de ética dos Correios?


Pois bem, nós do SINTECT-PE, fazemos questão de reproduzir o Módulo 54, art. 10, que diz: “Os profissionais da empresa que assumem o papel de gestores necessitam ter sempre em vista o bem-estar e o progresso funcional das pessoas, tratá-las com retidão, justiça e humanidade e estimular o espírito de equipe”.


Estamos trazendo mais esse caso de assédio moral para reforçar e orientar a categoria a denunciar de forma segura ao seu sindicato. O trabalhador não pode ter medo de denunciar, não aceite nenhum tipo de humilhação ou constrangimento por parte de gestores que não seguem o código de ética da Empresa. E como forma de ajudar ainda mais a combater o assédio moral, as entidades sindicais repassam algumas dicas importantes:


1. Anote com detalhes todas as humilhações sofridas (dia, mês, ano, hora, local ou setor, nome do agressor, colegas que testemunharam, conteúdo da conversa e o que mais achar necessário).

2. Procure a ajuda do Sindicato e dos colegas, principalmente daqueles que testemunharam o fato ou que já sofreram humilhações do agressor. O apoio é fundamental dentro e fora da empresa.

3. Evite conversar com o agressor sem testemunhas. Ir sempre com colega de trabalho ou representante sindical.

4. Relate o acontecido para outros canais da sociedade além do Sindicato, como o Ministério Público e a Justiça do Trabalho, Comissão de Direitos Humanos e Conselho Regional de Medicina.

5. Divida seus problemas com os familiares, amigos e colegas, pois o afeto e a solidariedade são fundamentais para recuperação da autoestima, dignidade, identidade e cidadania.


Opressão não! Fim do assédio moral praticado pelos gestores da ECT!